20 August 2017 10:48:24
Navegação
· Principal
· Artigos
· Notícias
· Fotografias
· Links
· Fórum
· Downloads
· Contacto
· Pesquisa
· Site 2001-2006
PUB
Últimos Artigos
· Um poeta sírio e par...
· Eleitor :: Perguntas...
· AMIANTO
· Aldeia portuguesa es...
· First Moon Landing 1969
· 1º Drone na Isna - J...
· Casamento Sandra e J...
· Discurso de tomada d...
· Ninguém é Perfeito
· Casamento Sara Marti...
Discurso de tomada de posse do Presidente da Direção

DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DO PRESIDENTE DA DIREÇÃO DA LAFI

20 setembro 2014

BIÉNIO 2014-2015

articles: 20140920_Assembleia_Geral_2014_LAFI.jpg

Caros amigos,

É com extrema alegria e um especial sentimento que hoje tomo posse como Presidente da Liga dos Amigos da Freguesia da Isna, doravante LAFI.

Este é um projecto, que já abracei há longos anos, e que, por motivos da mais variada índole, exige da minha parte uma maior dedicação. Mais tempo para a LAFI, mais tempo para os sócios da LAFI, total disponibilidade para com as gentes da freguesia da Isna.

Nato e criado na nossa Freguesia, sinto que devo, que devemos unir-nos nas horas de maior cuidado. É característico dos portugueses a União: seja nos Descobrimentos, por esse mar além; seja na Restauração da Independência, quando patrioticamente demonstramos o orgulho que temos na nossa nacionalidade; ou no elo criado para alertar o Mundo para o genocídio que estava a ocorrer em Timor-Leste. Só o somos no Outro, só consolidamos a nossa dignidade quando os outros adquirem a sua.

O valor incomensurável da dignidade da pessoa humana obriga a que haja uma preocupação com o auxílio dos mais vulneráveis e uma justa repartição dos custos e sacrifícios associados ao seu auxílio. São estas sinergias que conseguimos reunir na LAFI!

Actualmente, vivemos debaixo de um pesado manto, que transforma o quotidiano, de muitos dos nossos, mais penoso. Não podemos olvidar que em qualquer lado, em qualquer altura do dia, numa cidade ou na aldeia mais recôndita do país, as dificuldades grassam, abrem feridas indeléveis, atentam contra princípios básicos de uma existência condigna.

Nós, Isnenses, não toleramos que os nossos anciãos deambulem sem destino, privados do direito de sonhar, cerceados na sua existência, resumidos a testemunhas de um tempo que passa velozmente. Por isso, e porque é nestas alturas que temos o dever moral de Agir, urge meter mãos às obras!

Seja individualmente, seja em grupo, há que pensar e tentar minimizar os problemas dos nossos conterrâneos, que são, como sabereis, a solidão e a moléstia.

Assim, nós, que por motivos profissionais efectuamos um autêntico êxodo rural, iremos, a curto-médio prazo, promover a realização de diversas actividades centradas na Família, tentando, igualmente, diminuir a chaga da soledade da população da nossa terra.

Do mesmo modo, e através da cooperação de outras entidades públicas, almejamos construir um espaço onde se possa apreciar e valorizar a nossa cultura local, destacando as peculiares tradições da nossa freguesia, culminando numa espécie de Museu Cultural da Isna.

Esta ideia, surgida no nosso âmago, pode ser classificada – neste tempo em que tudo se qualifica – como pura ousadia, com laivos de pura ilusão, mas é este desassossego de alma que a torna, para nós, exequível com deslumbrantes e incalculáveis consequências sociais.

Recordemo-nos do que o antigo embaixador britânico, Mr. Ellis, ao deixar o nosso país, disse: “Vou ter saudades. Acho que a confiança dentro do grupo da família e dos amigos é muito maior em Portugal do que noutros sítios. O vosso modelo de sociedade é o de família alargada.”

É por isso que nas nossas Famílias há exibições de afectos, no nosso grupo de Amigos, cúmplices sorrisos, em cada casa da Isna, uma porta aberta.

Pretendo também aqui exortar, com uma singela palavra, os sócios da LAFI: não esmoreçam e não deixem de perseguir os sãos objectivos da vida; não percam o brio e o contínuo incentivo de dar a conhecer o seu próprio trabalho, em especial, quando ele pode facilitar a vida de muitos. Afinal, o estar no mundo é sempre um estar com os outros.

Termino com uns versos de Alberto Caeiro, heterónimo desse poeta maior, Fernando Pessoa:

“O Tejo desce de Espanha

E o Tejo entra no mar em Portugal.

Toda a gente sabe isso.

Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia

E para onde ele vai

E donde ele vem.

E por isso, porque pertence a menos gente,

É mais livre e maior o rio da minha aldeia.”

 

O presidente da LAFI

Vitor Jorge Ribeiro Esteves

20 setembro 2014

 

Comentários
Nenhum comentário foi enviado.
Enviar Comentário
Faça login para enviar comentários.
Avaliações
Avaliações estão disponíveis apenas para membros.

Faça login ou registre-se para avaliar.

Nenhuma Avaliação enviada.
Utilizadores Online
· Visitantes Online: 1

· Membros Online: 0

· Membros Registados: 75
· Último Membro: figueiredo
Entrar
Utilizador

Senha



Se esqueceu a sua senha?
Solicite uma nova aqui.
Pesquisa
Mural de Recados
Fazer login para enviar uma mensagem.

25/07/2017 01:32
SmileVIVA A BANDALHEIRA TSF, Fernando Alves, http://www.tsf.pt.
..id=3544850

25/07/2017 01:28
INCÊNDIO - Auto Proteção http://www.tsf.pt.
..77624.html

28/03/2017 18:55

28/03/2017 18:53

21/03/2017 00:24

Tempo de processamento: 0.00 segundos 1,011,357 visitas únicas